Chiquinha Gonzaga é homenageada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

0
312

Chiquinha Gonzaga é homenageada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

 

“Ô Abre Alas” para Chiquinha Gonzaga passar

A primeira maestrina do país é homenageada no Theatro Municipal RJ

Acervo Cedoc/ FTMRJ

Considerada a primeira marchinha de carnaval, Ô Abre Alas, de Chiquinha Gonzaga, é o destaque da próxima sexta-feira, 12 de fevereiro, nas plataformas virtuais do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A soprano do Coro do Municipal, Fernanda Schleder, faz uma homenagem à maestrina brasileira que é um símbolo do Carnaval, a festa mais popular do país. No repertório, além da música ‘Ô Abre Alas’, Schleder vai cantar também ‘Forrobodó’.

 

Foto do site chiquinhagonzaga.com

 

Sobre Chiquinha Gonzaga

 

“Ô abre alas que eu quero passar

Peço licença pra poder desabafar”

Francisca Edwiges Neves Gonzaga, popularmente conhecida como Chiquinha Gonzaga, foi a primeira maestrina brasileira e uma das primeiras compositoras do país. Pioneira, ajudou a criar os patamares da música popular brasileira nos idos de 1900. Seu espírito rebelde e seu amor à música a fizeram abandonar o primeiro marido e a responder, perante o Tribunal Eclesiástico, por abandono de lar e adultério. Seu desejo de liberdade, a fez abandonar um segundo marido até encontrar João Batista,  a quem amou até o fim da vida. Depois de seu primeiro casamento desfeito, Chiquinha, para sobreviver e sustentar o único filho que com ela ficou, passou a lecionar piano e canto e disciplinas como francês, História e Geografia. Com o apoio de seu amigo, o músico Antonio Callado, conhecido como “o pai do choro”, Chiquinha passou a compor, como pianista, o conjunto musical de Callado, e, juntos, animavam os saraus e a vida boêmia do início do século XX. Ao longo do tempo, Chiquinha se tornou popular, compôs centenas de músicas, dentre elas a famosa “Ô Abre Alas”, considerada a primeira marchinha de Carnaval. Politizada, culta e popular, Chiquinha lutou pela implantação da República e pela abolição da Escravatura, ajudando a subsidiar grupos abolicionistas. Chiquinha também ajudou a criar o Sindicato Brasileiro dos Autores Teatrais – SBAT, atuante até hoje. A compositora faleceu em 28 de fevereiro de 1935, poucos dias antes do Carnaval. O dia de seu nascimento, 17 de outubro, é dedicado ao Dia da Música Popular Brasileira, uma merecida homenagem a esta grande dama da cultura brasileira. 

Crédito da foto:  Fred de Assis

Sobre Fernanda Schleder

Soprano, natural do Rio de Janeiro, graduada em canto pelo Conservatório Brasileiro de Música, é bisneta da maestrina e pianista Grizelda Lazzaro Schleder e filha do percussionista João Alfredo Schleder. Aperfeiçoou-se com o professor Frederico de Assis desde 2005. Pertence ao Coro do Theatro Municipal do Rio de Janeiro desde 2001.Participou como solista nas óperas: “O Chalaça” de Mignone, realizada na Escola de Música da UFRJ; “Le Nozze di Fígaro”, de Mozart, no papel de Condessa, também na Escola de Música da UFRJ e no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, sob a regência do Maestro Guilherme Bernstein; “La Bohème”, de Puccini, no papel de Mimi, no projeto ópera de bolso, realizada no Teatro Carlos Gomes. Vencedora do primeiro concurso de canto Lorenzo Fernandez, realizado no Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro, onde também recebeu o prêmio de melhor intérprete de ária de ópera. Participou do concurso jovens intérpretes de Francisco Mignone, promovido pelo Espaço Cultural FINEP, onde recebeu o prêmio especial de melhor intérprete de Francisco Mignone. Foi solista por dois anos da tournée pelo Brasil do Projeto Mundial “Videogames Live”, com a Orquestra Petrobras Sinfônica sob a regência do maestro e compositor norte-americano Jack Wall.     Interpretou a ópera “L’ Inocente” de Francisco Mignone no papel de Irene no Espaço Cultural FINEP. Interpretou também da ópera “La Bohème” de Puccini o papel de Musetta no Museu de Arte Moderna (Projeto Música no Museu) e na Sala Baden Powell.   Participou da montagem da ópera “Carmen” de Bizet no Theatro Municipal do Rio de Janeiro com a Orquestra Sinfônica sob a regência de Silvio Viegas e direção de Carla Camurati.   Participou da temporada carioca do musical “A Noviça Rebelde” que esteve em cartaz de maio de 2008 à fevereiro de 2009, sob a direção de Cláudio Botelho e Charles Möeller.É fundadora da EntreAtto Solistas, Coral e Orquestra, que realiza apresentações, des les, concertos líricos, casamentos e recepções no Rio de Janeiro e outras cidades do Brasil. Foi solista no Theatro Municipal do Rio de Janeiro no Concerto “Jóias da Ópera” sob a regência do Maestro Jésus Figueiredo em 2018.

Crédito da foto: Daniele Medeiros

Serviço:

“Ô Abre Alas” para Chiquinha Gonzaga passar 

Homenagem à primeira maestrina brasileira

Data: 12 de fevereiro – sexta-feira

Horários: 11h e 16h

Plataformas oficiais do Theatro:

Instagram: @theatromunicipalrj

https://www.instagram.com/theatromunicipalrj/?hl=pt-br

Facebook:@theatro.municipal.3

https://www.facebook.com/theatro.municipal.3

Youtube: Theatro Municipal do Rio de Janeiro

https://www.youtube.com/channel/UCGRr5BwD-tItwx_CEtEpqBA

Site: www.theatromunicipal.rj.gov.br

Patrocínio Ouro @valenobrasil e @petrobras

 
 
 
 
 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here