Narrativa brasileira “A Linha” recebe o Emmy por inovação em mídias interativas nesta quinta-feira, 17/09

0
226
Narrativa brasileira “A Linha” recebe o Emmy por inovação em mídias interativas nesta quinta-feira, 17/09
Cerimônia de premiação será realizada online com transmissão pelo site oficial do Emmy a partir das 21h; ambientada em uma maquete da cidade de São Paulo em 1940, história aborda o amor entre Pedro e Rosa, rotina e medos de mudança
Narrativa brasileira A Linha recebe o Emmy por inovação em mídias interativas nesta quinta-feira, 1709
São Paulo, 15 de setembro de 2020 – Nesta quinta-feira, 17 de setembro, a narrativa brasileira em realidade virtual “A Linha” entra de vez para a história do principal prêmio internacional dado a obras e profissionais da indústria televisiva, o Primetime Emmy Awards. A partir das 21h (horário de Brasília), o site do Emmy transmite para o mundo todo o Creative Arts Emmy Awards 2020, cerimônia online de premiaçãoque terá a participação da equipe de “A Linha” diretamente de São Paulo, onde fica o estúdio ARVORE, responsável pelo projeto.
Vencedora na categoria “Outstanding Innovation in Interactive Programming”, “A Linha” é uma narrativa em realidade virtual (VR) totalmente pensada e desenvolvida para ser contada neste formato. Com direção de Ricardo Laganaro, vozes de Rodrigo Santoro (inglês) e Simone Kliass (português) e trilha sonora original da Ultrassom Music Ideas, a obra conta uma história de amor entre Pedro e Rosa, dois bonecos que vivem em uma maquete da cidade de São Paulo em 1940, e inova ao permitir que o usuário interaja com a experiência usando o próprio corpo ao invés de controles.
Para conquistar o Emmy, “A Linha” passou pela avaliação técnica de um júri formado por 20 especialistas em experiências imersivas e teve aprovação unânime. Era necessário ser considerada uma obra notável e impactante, que ampliasse os conceitos de arte e ciência em mídias interativas e demonstrasse domínio do formato, elevando significantemente a experiência do usuário.
Também premiada como “Melhor Experiência em VR” no 76º Festival de Veneza, “A Linha” coloca o ser humano no centro da narrativa e conta uma história universal de amor com camadas adicionais de significado e compreensão, especialmente sobre rotina e medo de mudanças. Repleta de emoções, combina ainda a interação corporal da realidade virtual com inovações técnicas e conceituais que tornam suas escolhas artísticas possíveis. A obra é a primeira experiência lançada comercialmente para Oculus Quest a usar o novo recurso de rastreamento de mãos (hand tracking), ampliando a imersão do usuário e seu senso de participação na trama.
Pedro e Rosa

Os protagonistas de “A Linha” são Pedro e Rosa, dois bonecos em miniatura perfeitos um para o outro, mas que relutam em superar suas próprias limitações e viver uma história de amor. Nos cerca de 15 minutos de duração da experiência, o usuário é transportado para uma versão em miniatura de São Paulo nos anos 1940, um cenário encantador em que Pedro, um entregador de jornais, repete todos os dias o mesmo percurso durante seu trabalho. A cada ciclo, porém, o personagem permite a si mesmo uma pequena escapada para colher uma flor amarela e deixar, anonimamente, para Rosa, a florista.

Tudo acontece sempre da mesma forma até que as rosas amarelas acabam. Pedro então é forçado a enfrentar seu maior medo: escolher um outro caminho para tentar encontrar novas flores. Essa pequena e ousada atitude revira totalmente o universo particular de Pedro, que passa a enxergar seu mundo sob uma perspectiva diferente e carrega o usuário sutilmente para o meio de um grande impasse criado pela mudança na rotina.

Trilha sonora com ritmo brasileiro

A Linha” apresenta diversas referências à cultura do Brasil, inclusive à música. Conduzida pela melodia de um autêntico chorinho brasileiro composto pelo estúdio Ultrassom Music Ideas, a narrativa tem mais este elemento que faz o usuário viajar à cidade de São Paulo na década de 1940 e adiciona camadas de emoção. A trilha sonora original tem assinatura de Gilson Fukushima e Ruben Feffer, que compôs com Gustavo Kurlat a trilha do longa de animação “O Menino e o Mundo”, indicado ao Oscar em 2016.

Mais informações sobre “A Linha” estão disponíveis nos perfis do Facebook Instagram Twitter .

Ficha técnica:
Título original: A Linha (The Line)
Duração aproximada: 15 minutos
Ano de produção: 2019
País de produção: Brasil
Diretor: Ricardo Laganaro
Produção: ARVORE Immersive Experiences
Trilha Sonora Original: Ruben Feffer e Gilson Fukushima (Ultrassom)
Produção executiva: Ricardo Justus, Edouard de Montmort e Rodrigo Terra
Première mundial: Biennale Cinema 2019 | Venice Virtual Reality
Première no Brasil: Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2019Prêmios internacionais:
• Biennale Cinema 2019 | Venice Virtual Reality: Best VR Immersive Experience for Interactive Content
• Kaohsiung Film Festival: Phalanity Best VR Immersive Award
• VR Days: Halo awards (Silver)
• Kaboom: Fan Favorite
• Pixel Show: Melhor Storytelling & Inovação e Criatividade

Seleção oficial em festivais:
• Biennale Cinema | Venice Virtual Reality (Itália, Agosto2019)
• Kaohsiung Film Festival (Taiwan, outubro 2019)
• Raindance Film Festival (Reino Unido, setembro 2019)
• VR Days Europe (Holanda, novembro 2019)
• GIFF (Suíça, novembro 2019)
• Kaboom Animation Festival (Holanda, novembro 2019)
• Mostra de São Paulo (Brasil, outubro 2019)
• Hyper Festival (Brasil, novembro 2019)
• GIFF VR Lounge Korea (Coréia do Sul, novembro 2019)
• Pixel Show (Brasil, dezembro 2019)
• IFFR (Holanda, janeiro 2020)
• Tribeca Film Festival (Estados Unidos, junho2020)

Sobre Ricardo Laganaro

Renomado diretor, Ricardo Laganaro entrou para o mundo das tecnologias imersivas em 2012, quando criou uma experiência para a cúpula do Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Dirigiu diversos vídeos em 360º que, juntos, somam mais de 60 milhões de visualizações e criou o documentário em realidade virtual “Step to the Line”, que estreou no “Tribeca Film Festival” e foi selecionado por mais de 30 festivais em todo o mundo.

Sobre a ARVORE

ARVORE é um premiado estúdio brasileiro com sedes em São Paulo e Los Angeles que cria e desenvolve experiências narrativas interativas e games com o que há de mais atual em tecnologias imersivas, como realidade virtual, realidade aumentada e realidade mista. Com uma equipe multidisciplinar inovadora e pioneira, e um laboratório preparado para expandir as possibilidades dessas plataformas, a ARVORE conecta diferentes tecnologias, sentidos e mídias para levar as narrativas a um novo patamar. Vencedora de diversos prêmios por suas experiências e jogos, a ARVORE lançou recentemente o game “Pixel Ripped 1995” para todas as plataformas de VR.

Informações para a imprensa:
Rosa Arrais Comunicação

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here