Giovanna Leite DNA musical do povo Brasileiro

0
356

Giovanna Leite DNA musical do povo Brasileiro

Giovanna Leite DNA musical do povo brasileiro

Giovanna Leite nasceu e rapidamente ingressou na música, aos quatro anos de idade, cantando “Se essa rua fosse minha”. Cantou com tanta desenvoltura, naquela falta de pudor comum a uma criança que já nasceu para ser artista, que foi ladrilhando seu caminho com pedrinhas de brilhantes, igualzinho dizia naquela canção. Nessa estrada toda feita de poesia e luz, Giovanna traz consigo aptidões genéticas e sensoriais que recebeu de presente da mãe e da avó, também cantoras, e de tios e tias, avós e primos que construíram a sua paz na construção plena da música. 

Giovanna Leite DNA musical do povo brasileiro

          Aprendeu com o pai a harmonia ouvindo o mesmo tocar piano. Foi na companhia dele que interpretou sua primeira canção, altruísta já, para presentear a mãe com sua doçura, no dia em que essa ganhava seu segundo filho. Aprendeu com o tempo a ir moldando a voz, modulando o volume, equalizando as informações, usufruindo das coisas lindas da música para se inspirar: palavra, som, ar, respiração, silêncio, ouvido, sensação, arrepio, autocrítica, aplauso. Disciplinada e com uma família incentivadora, aprendeu violão e ukulelê, fez aula de canto, andou por conservatórios de música – linda palavra essa, conservatório, que busca a perenidade do som – participou de concursos, viu as grandes divas da música brasileira em seus pensamentos e chega, nesse cruzamento da vida onde menina e mulher se encontram, para lutar pelo seu título de artista. 

Giovanna Leite DNA musical do povo brasileiro

          Infiltrada de pessoas e lugares, carrega em sua história, tão recente e tão sensível ,nome de várias mulheres, como a de sua mãe Livia Leite e de sua avó, mas também das mulheres que lhe abrigam, e porque não, lhe habitam como Barbacena, Tebas e Leopoldina, cidades que estão musicadas em sua alma. Gosta de cantar as coisas do seu povo, e brinca com a voz traduzindo os sentimentos tanto do agora quanto os que foram retratados em músicas que já fazem parte do DNA musical do povo brasileiro. Com juventude na idade e no nome, essa menina se apresenta como quem sobe a um palco. Faz do sol o refletor e das estrelas  serpentinas de luzes, do canto um diapasão e do quintal da vida, ou mesmo a soleira da porta de sua casa, a plateia que lhe faz cantar, seja para esse povo feito de gente, para esse povo feito de flores, ou para uma colmeia. 

 

Autor Marinaldo de Silva e Silva
https://www.instagram.com/poetamarinaldo/?igshid=7jixv1lyetyp

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here